26 de julho de 2007

LEITURAS # 13

Devo ser o último tempo
A chuva definitiva sobre o último animal nos pastos
O cadáver onde a aranha decide o círculo.
Devo ser o último degrau na escada de Jacob
E o último sonho nele
Devo ser-lhe a última dor no quadril.
Devo ser o mendigo à minha porta
E a casa posta à venda.
Devo ser o chão que me recebe
E a árvore que me planta.
Em silêncio e devagar no escuro
Devo ser a véspera. Devo ser o sal
Voltado para trás.
Ou a pergunta na hora de partir.

Daniel Faria, Explicação das Árvores e de Outros Animais,
1998

3 comentários:

hfm disse...

Uma poesia sempre tocante e de uma harmonia pictórica e humana.

Zénite disse...

Que é um bom Poeta, disso não restam dúvidas.

E os deuses estavam atentos, pois que o levaram tão jovem para junto de si. :(

Já dizia o poeta Menandro, da Grécia Antiga, que os deuses levam cedo, para junto de si, aqueles que amam. E tão cedo foi, pois o Daniel tinha somente 28 anos!

Creio que o Jim Morrison tinha a mesma idade quando partiu.

Bjos.

Mïr disse...

O Poeta Maior.